Botas Over the knee boots / cuissarde

Oi meninas lindas, está frio ai!?
Vamos falar das  botas over the knee boots oucuissarde que estão vindo com tudo no inverno e somem rápido das lojas.


Embora não fossem tão divulgadas aqui no Brasil por conta do nosso clima mais ameno, tipo um frio que não é constante elas não saem de moda e com certeza não pode faltar no look de inverno.
Particularmente não sou fã de botas e ultimamente estou optando por sapatinhos baixos, depois que cai de skate não vou poder calçar saltos por um bom tempo, mas vocês podem e curtem usem e abusem!

Com Saia ou Vestido:

vestidos e saias_02

vestidos e saias_01

Com Calças:

jeans-e-cuissardes over-the-knee-boots-2
Dicas:

– se você não é alta aposte nos modelos com salto
– para quem tem as pernas mais grossas vale a pena apostar na monocromia da cintura para baixo: skinny/legging/saia com meia grossa em tons bem escuros, de preferência na mesma cor da bota
– esta é uma bota que já remete a algo sensual, portanto pegue leve na roupa: nada de decotes ousados ou muita pele de fora
– se suas pernas estão realmente em dia (e se forem mais finas) você pode combinar as cuissard com uma mini saia, mas sempre tomando o cuidado de usar um top/blusa/camiseta mais comportado
– dê preferência aos modelos que não façam muito volume nas pernas

Saica mais: Portal tudo aqui

Espero que tenham gostado, deixem aqui seu comentário.
Beijokas até a próxima.

Solte suas tranças…

É uma ótima opção para quem está em transição e não quer lidar com o cabelo com duas texturas ou pra quem fez o BC e não está com vontade ou não se sente bem de cabelo curtinho. Mas afinal de contas o que é?


cAPA DO BLOGGER

 

 

 

 

 

 

 

 

Box Braids, que traduzindo significa “tranças caixa”.
É chamado assim porque você dividi o cabelo em quadrados fazendo uma  trança no mesmo. Estas tranças geralmente são feitas de cabelo sintético, conhecido como kanekalon, ou jumbo braid, thaty deby, miojinho dentre ouros tipos.
Além de ajudar na transição e no BC também é ótimo ´pra deixar o cabelo descansar do cronograma capilar, da reconstrução, fortalecendo e proporcionado crescimento ao cabelo, mas é bem  importante ressaltar que o cabelo deve estar saudável e firme antes de colocar as traças, não recomendo pra quem esta com o cabelo muito ressecado e quebradiço.

Cuidados básicos:

  • Lavar as tranças duas ou três vezes na semana apenas com shampoo diluído em água. E procure deixar a toalha no cabelo cerca de 10 /20 min para toalha absorver bem a água
  • É importante lavar as tranças pela manhã, para que ao longo do dia elas sequem,
  • Não dormir com os cabelos úmidos,
  • Não deixe as tranças mais que 4 meses no cabelo.


Abuse da criatividade

O mais divertido das tranças é variar nas cores, mesclagem, tipos, tamanhos, penteados, não há limites, eu particularmente adoro traças usei muito na minha transição, agora enjoei um pouquinho.
Mas fica ai a dica meninas e meninos é uma ótima escolha.

Confira mais fotos em nossa pagina no Facebook.

Turbantes

O tal Turbante, pra muitos é apenas um acessório, um dos simbolo da cultura afro descendente . Mas será simplesmente isso?


 

downloadVocê sabia que o uso do turbante começou no Oriente antes do ano de 570d.C, nesse período tinha ( e tem ) uma função religiosa (fé islâmica),  eles acreditam que o Kawrah (turbante) protege os pensamentos, já que é na cabeça que se desenvolve nosso senso de certo ou errado, verdadeiro e falso e por ai vai… infelizmente o uso de turbantes no Oriente é associado aos atentados terroristas.

Na Índia, são utilizados para proteger do clima no deserto, que representam também seu status financeiro e sua religião.Na África os tecidos enrolados no corpo fazem parte da cultura e os turbantes fazem parte dessa indumentária complementando o conjunto. São utilizados por homens e mulheres e na África Negra, os chamados turbantes gelê tem funções sociais, religiosas e claro, fazem parte da moda.O turbante, ojá ou torço chegou ao Brasil, dada a influência africana, aqui se trata de uma manta que se enrola na cabeça e que compõe o traje das baianas, uma das principais figuras típicas do país, mulheres batalhadoras que regularizaram sua profissão.

Na moda, em 1930 o estilista francês Paul Poiret, inspirado pela
indumentária oriental e nos figurinos exóticos, introduziu o acessório na alta costura fazendo a cabeça de várias mulheres sofisticadas e artistas, entre elas Simone de Beavouir e Greta Garbo. Logo depois foi a vez de Carmen Miranda popularizar o acessório no Brasil.
Prático, durante a segunda guerra mundial, muitas mulheres utilizavam o turbante para esconder o mal trato dos cabelos.

Na década de 60 o movimento do orgulho negro que teve origem nos Estados Unidos fez com que o uso do turbante novamente voltasse ao cenário como uma forma de afirmação para o povo negro.Recentemente apareceu em desfiles de grifes famosas como a Prada e voltou a estar na moda no ocidente.